Adeus às fraldas

Qual será a altura correta para tirar a fralda ao seu filho? Não existe uma data fixa. Abandonar a fralda faz parte da evolução de qualquer criança, sendo que umas conseguem ultrapassar esta etapa mais cedo do que outras.

A chegada da primavera, e com ela a temperatura amena, leva muitos pais a decidem iniciar o desfralde dos seus filhos. É certo que esta é uma época propícia ao desfralde por permitir o uso de roupa mais leve e possibilitar uma melhor secagem da mesma. Todavia, nenhuma criança deverá abandonar as fraldas só porque o tempo está mais quente ou porque dá mais jeito aos pais. Há condições, inerentes à própria criança, que devem estar adquiridas antes do início do desfralde.

A idade ideal para dar início a este procedimento situa-se entre os 18 e os 36 meses, dependendo da aquisição de diversos fatores desenvolvimentais, nomeadamente ao nível da Maturação Fisiológica, do Desenvolvimento Psicológico e da Maturidade Emocional.

Em relação à Maturidade Fisiológica espera-se que o sistema nervoso esteja suficientemente amadurecido para permitir que a criança reconheça e controle as sensações corporais, e desenvolva uma coordenação motora que lhe permita andar, despir-se e vestir-se.

No que respeita ao Desenvolvimento Psicológico, é importante que a criança tenha desenvolvido a capacidade compreensiva (conseguir seguir instruções simples) e seja capaz de utilizar algum tipo de linguagem para comunicar. Relativamente à Maturidade Emocional o desenvolvimento do desejo de agradar aos pais, a vontade de fazer como os outros e de ser crescido são fatores preponderantes para esta aquisição.

É fundamental não precipitar o processo. Se a criança ainda não apresentar os primeiros sinais, é melhor deixar passar mais algum tempo. Uma vez iniciado, os pais deverão evitar interromper o processo.

Um dos elementos principais no processo de desfralde é o pote. É importante que este seja confortável, robusto, seguro e de fácil utilização. A sua localização deve ser sempre no mesmo local, visível e alcançável pela criança. Deixar a criança sentada muito tempo no pote poderá ser sinal de que ela pode não tem vontade naquele momento, não insista!

O vestuário cómodo e prático e a criação de uma rotina para usar o pote (ex. antes e após as refeições e as sestas) deve ser implementada. No caso de acidente, uma boa conversa e explicação, solicitando-lhe que ajude a trocar a sua própria roupa, bastam. As repreensões não têm efeito positivo no processo.

Despertar o interesse da criança é um passo importante para o sucesso do desfralde. Acompanhar a criança, sentando- se em simultâneo na sanita para que esta imite os adultos, perguntar à criança se quer fazer chichi ou cocó, felicitá-la sempre pelas suas conquistas e permitir que esta acompanhe todo o processo (o despejo do conteúdo do pote na sanita e o descarregar do autoclismo), permitirá que a criança encare esta etapa com naturalidade e satisfação.

Atenção às colocações da fralda como comodismo durante um passeio ou uma visita a amigos. Uma vez iniciado o desfralde a fralda deverá ser completamente abandonada. Evite utilizar expressões tais como: “Faz na fralda!”. Opte antes pelo vestuário e calçado suplente em vez da fralda.

O Controlo durante o sono geralmente tem início numa fase posterior. Para que tal ocorra comece por exprimir as suas expectativas, controle a ingestão de líquidos, lembre a criança de ir à casa de banho antes de se deitar, solicite a sua ajuda para preparar a cama, combine a localização do pote durante a noite, lembre-a de ir à casa de banho logo que acorda, elogie o sucesso e evite críticas.

Faça deste momento um período de trocas com o seu filho. Dê-lhe muito amor e carinho. O único trabalho dos pais é criar condições para que o processo seja o mais descontraído possível. Seja paciente e não exija de mais ao seu filho.

Paulo Coelho

Psicólogo da Infância e Adolescência

Director Técnico da “mim – Clínica do Desenvolvimento”